Peças Processuais

SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DA 7ª VARA CRIMINAL DE FORTALEZA – CEARÁ

 

Processo Nº 1997.01.4035-0

Réus: ************************************

************************************

************************************

************************************

 

Vítima: ************************************

 

ALEGAÇÕES FINAIS – ART. 500 CPP

O Representante do Ministério Público, alfim assinado, no uso de suas atribuições legais, vem, apresentar suas alegações derradeiras no processo crime que move contra ************************************, ************************************, ************************************ e ************************************ , pelo que passa a expor e ao final requerer:

 

DOS FATOS

************************************, ************************************, ************************************ e ************************************, devidamente qualificados nos autos foram denunciados por infração ao artigo 158, § 1º e artigo 288, Parágrafo Único c/c art. 29 do Diploma Repressivo Pátrio, porque no mês de Abril do ano de 1995 extorquiram a vítima ************************************ visando a obtenção de vantagem ilícita, conforme será amplamente demonstrado.

 

Preliminarmente faz-se necessário dizer que os Réus se associaram em bando ou quadrilha, devidamente armados, para o cometimento de diversas condutas criminosas, o que feito a partir do ano de 1994, sendo várias as vítimas do inditoso grupo, podendo ser citada ************************************ a qual teve seu veículo tipo Escort roubado e recuperado pela quadrilha dos delatados, porém não devolvido voluntariamente a proprietária, vítima portanto de************************************, o comerciante ************************************ o qual após adquirir um veículo Pampa por compra, foi coagido para assinar transferência em branco em favor de uma pessoa que o ************************************ apontou, vítima portanto de crime de extorsão .

 

À luz da prova que será explorada nesta peça processual, citada sociedade criminosa era responsável pela execução de assaltos na cidade de Fortaleza, inclusive "importando bandidos" de outros Estados da Federação a fim de praticarem suas respectivas condutas criminosas. Para a consumação de suas ações criminosas, em especial a catalogada no artigo 157 do Código Penal Brasileiro, fazia-se necessário a obtenção de armas de grosso calibre, e por força de tal pré-requisito, fizeram contato com a vítima ************************************ , especialista em CONTRABANDO DE ARMAS .

 

Frente a realidade exposta, no mês de Abril de 1995, o contrabandista vitimado, acima citado, sacramentou uma negociação com o Réu ************************************ e o falecido advogado ************************ visando a aquisição por parte destes, de 04 (quatro) metralhadoras de marca "GLOCK", 02 (dois) fuzis "ARMINI" 14mm, 04 (quatro) pistolas "RANGER" calibre 9mm, com mira laser e farta quantidade de munição.

 

Registre-se, por oportuno, antes de penetrar no mérito dos fatos delituosos delineados que a organizada quadrilha somente restou desbaratada a partir da implementação da COMISSÃO ESPECIAL , criada pelo Decreto Governamental 24.383, de 28 de Fevereiro de 1997 , frente as denúncias tornadas públicas pelo agente de polícia "*********", da existência do que ficou conhecido como "Banda Podre da Polícia Civil", na qual despontava dentre os fora da lei, os agentes de polícia ************************************ e ************************************ , bem como o Delegado de Polícia ************************************ , associados ao Advogado ************************************ (prematuramente falecido) bem como o empresário do ramo de automóveis ************************************ .

 

Com efeito, ao ser ouvido na Comarca de Maracanaú-CE., pelos Excelentíssimos Promotores de Justiça, ************************************ e ************************************ em data de 20.02.1997 , ainda na presença do Bel. ************************************, Delegado de Polícia Civil e Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil, Sr. ************************************, Presidente do SINPOCI e outras duas pessoas, o policial civil ************************************ detalhou a seara criminosa em que estavam envolvidos não só os Réus, assim como outros diversos policiais, resultando na instauração de várias ações penais contra membros da Polícia Civil, ocupantes dos mais variados cargos e funções.

 

Na época do fato delituoso, a vítima ************************************ , teve seus "serviços" de contrabando de armas requisitado pelo falecido advogado ************************************ (envolvido em várias condutas criminosas), bem como pelo acusado ************************************ , ficando pactuado que as armas seriam entregues na loja de veículos de propriedade do último delatado.

 

Com a concretização da negociação criminosa, o motorista da vítima ************************************ (que tinha chegado do Estado do Pará com as armas), deslocou-se para a empresa do acusado ************************************ , oportunidade em que acabou surpreendido pelo Delegado de Polícia ************************************ e os acusados ************************************ e ************************************ , os quais em conluio com o citado empresário e o falecido advogado ************************************ , consumaram a conduta delituosa (extorsão), quando, então, as armas pertencentes a vítima, trazidas do Paraguai e que se encontravam na cidade de Paracuru-CE., ficaram em poder dos delatados.

 

A peça vestibular acusatória narra que a partir daí começaram os Réus a extorquirem a vítima, constrangendo-a mediante ameaça de prisão com o intuito de obterem para si vantagem econômica ilícita, até que esta finalmente foi presa pelo Delegado ************************************ e pelos policiais civis ************************************, sendo a seguir conduzida a vítima para a Delegacia de Roubos e Furtos, local onde manteve contato com o causídico ************************************, já falecido, que lhe disse que "não tinha mais jeito e não dava mais para fazer o acerto", ouvindo ainda o contrabandista vitimado ***************************** que " eles eram uma máfia só ", e como resultado da prisão, a vítima ainda pagou ao falecido ************************************ a quantia de R$ 24.000,00 (Vinte e quatro mil reais).

 

Insta dizer que o quinto envolvido nos crimes narrados nos autos (************************************) foi morto (assassinado a mando) na cidade de São Paulo no ano de 2001, conforme amplamente noticiado na imprensa alencarina, razão pela qual às fls. 1.235 o Órgão do Ministério Público requereu fosse extinta a punibilidade deste Réu, medida que ainda não foi adotada por este Juízo, ficando desde logo RATIFICADO tal requerimento, visto que tal fato é público e notório.

 

O primeiro Réu ************************************ , foi interrogado às fls. 1.048/1.050 do 3º Volume, e negou a prática dos crimes narrados na peça vestibular acusatória, entretanto se contradiz quando afirma que:

 

"... montaram campana nas proximidades da loja do ******** na Sargento Hermínio e ali conseguiram prender um membro da quadrilha, o qual era motorista de *********, e que esse elemento era conhecido por *********. E *********** informou que haviam dois elementos da quadrilha escondidos no Paracuru. Que se deslocaram até lá ... onde efetuaram a prisão dos elementos Orelha e Ceará. Que os referidos bandidos mostraram os policiais onde estavam enterrados dois fuzis AR-15 e três espingardas 12 de repetição e farta munição inclusive calibre 45. Que antes da diligência de Paracuru o interrogado ainda seguiu uma F-1000 que segundo foi informado seria a de **********, onde estava. ... Que na perseguição ********* conseguiu escapar ... Que com 03 dias depois disso avisaram de Natal que ********* ali se encontrava preso ..." (SIC).

 

Ao ser interrogado o segundo Réu, ************************************ (fls. 1.012/1.017), também negou ter participado dos crimes de formação de quadrilha e de extorsão que vitimou a pessoa de ************************************, tendo atribuído o fato de estar sendo processado a intrigas políticas e inimizades com outros Delegados de Polícia Civil.

 

O terceiro Réu ************************************ , foi interrogado às fls. 984/986 e também negou sua participação na trama criminosa, seja no crime de bando ou quadrilha, seja no crime de extorsão, mas vejamos parte do interrogatório em Juízo, in verbis :

 

"... Que negociou com ********** uma camioneta F-1000. Que ********** lhe pagou parte em dinheiro e uma parte em cheque ... Que, com dois dias mais ou menos ********** retorna a revenda do acusado, trazendo uma moto. ... Que não deu para fazer negócio com a máquina, no entanto ********** pediu para deixar a máquina no salão para vende-la. Que nesse dia começou a negociar com ********** uma BMW que estava no salão com um Tempra de ********** que estava em Belém do Pará. Que ********** ligou para Belém do Pará dando ordem a sua genitora para mandar o carro Tempra; ... Que quando estava em casa recebeu uma telefonema de ******** dizendo que os policiais Dr. ******************** (Delegado); ************************************ e ********* estavam perseguindo os seus clientes, ********** e o amigo, querendo prende-los. Que, nessa ocasião o dito amigo de ********** foi preso. Que, aí o interrogado foi para sua loja onde chegaram os policiais e ********* e ********* conduzindo o elemento preso ...".

 

O quarto Réu, ************************************ , foi interrogado às fls. 1.051/1.053, também tendo negado sua participação nos citados crimes.

Adentremos neste momento pela prova testemunhal colhida na fase investigatória, começando pelo depoimento de************************************às fls. 58 usque 86, do qual transcreveremos alguns trechos, " verbis ":

 

"... presenciou e assistiu a tomada das declarações de ************************************, em Maracanaú, aos 20 dias do mês de fevereiro do corrente ano; que estas declarações foram tomadas e dadas de livre e espontânea vontade de *******, o qual não sofreu nenhuma pressão pra presta-las; ... que, muitas partes das declarações prestadas, naquele dia, por ******** faz nexo com a realidade ; ... que o declarante tem conhecimento de uma versão que circula nos bastidores da SSP, dando conta de que os Delegado *************** e ********* assaltaram um caminhão de lagosta e desviaram dita lagosta dela se apropriando; ... que, esse assunto é motivo de piada na Secretaria, pois sempre que alguém tem um desentendimento com o Delegado *********** afirma pelos corredores "VAI DEVOLVER AS LAGOSTAS NEGÃO" referindo-se ao Dr. ***********; ... que, o declarante tem conhecimento do envolvimento do Dr. *********** em alguns casos de tortura; ... que, o declarante conhece versões dando conta de que o Dr. *********** tem um grupo formado, pelos policiais ***********, *********** e outros, cuja finalidade é a prática de extorsões, estelionato, inclusive através de cheques e cartões de crédito roubados, inclusive trazendo pessoas de outros Estados para fazer as paradas (realizar os crimes) ; ... que, aliás o declarante esclarece que a existência do grupo comandado por *********** é comentado abertamente no corredores da SSP; ... que, conhece o proprietário da Revenda de Automóveis "*********************" e já ouviu dizer por vários policiais, que o mesmo é viciado em cocaína e maconha; ... que, o declarante já ouviu dizer que o proprietário da ********************* no caso ********** é portador de uma carteira de Delegado de Polícia, cuja capa vermelha; que, é do conhecimento do próprio declarante, porque já viu, que o mesmo é possuidor e usa armas em seus veículos bem como revólver calibre 357; ... que, tem conhecimento o declarante de que ************************************(1) ********, enviou uma carta ao Secretário de Segurança, onde denunciava a participação de vários policiais civis e Delegados de polícia do Ceará, em crime diversos; ... que, *********************(2) na época em que fez esta carta, segundo informações se encontrava preso no IPPS ; ... que, desde o primeiro conhecimento que teve acerca da pessoa de *********, proprietário da ************************************(, que se comenta que o mesmo é viciado e traficante de cocaína; ..." OS GRIFOS SÃO NOSSOS .

 

A carta a que se refere a testemunha acima, encontra-se nos autos às fls. 55/57 do 1º Volume em fotocópia, sendo que a original da mesma foi acostada às fls. 1.243/1.244 do 5º Volume, onde se verifica que ************************************ efetivamente faz uma série de denúncias envolvendo as pessoas dos Réus. Cuida-se de mais um veemente indício de prova.

Por sua vez a testemunha************************************ao ser ouvido às fls. 175 usque 191 disse o seguinte:

 

"... que, ***************** é a grande ponte entre Delegados e o Crime organizado; ... que, esclarece o declarante que um dos casos mais emblemáticos de torturas praticadas pelo policial ***************** juntamente com seus companheiros de polícia, ***************** e *****************, além dos policiais Civis ********* e *********, foi o caso do sr. Identificado como ************************************, conhecido por MONTANHA; ... que, esclarece o declarante, como Delegado de Polícia e Ex-Corregedor, ter conhecimento de que os cabeças do crime organizado na Polícia Civil, são os Delegados *****************, *****************, ***************** e o Advogado *****************, sendo que o Delegado ***************** situa-se como lugar Tenente do Grupo, para fechar juntamente com outros policiais civis a engrenagem da teia criminosa no seio da Instituição Policial Civil; ... que, o declarante esclarece ainda em relação ao Dr. *****************,, citamos que em 1995 a cidadã ************************************, compareceu ao Gabinete do Deputado *****************, bastante nervosa e indignada após ler pela imprensa uma declaração prestada pelo Secretário ************** o qual declarou ... que o Delegado ***************** era seu homem de confiança e só sairia daquele Posto que ocupava na SSP, quando o Dr. *****************, saísse; que, a Senhora *****************, informava que o seu carro SCORT havia sido tomado de assalto na Aldeota ocasião em que ela passou a diariamente comparecer a
Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos a época capitaneada pelo Delegado *****************,, que informou ainda, que ***************** de maneira cínica dizia-lhe que o seu veículo estava sendo usado em assaltos e um dia apareceria; que, a referida senhora já havia perdido a esperança de recuperar seu veículo quando em determinado dia seu irmão ao passar defronte a uma oficina encontrou um SCORT parecido com o seu; que, ela afirma que seu irmão reconheceu porque este tinha um pequeno arranhão do lado esquerdo, que perguntou o dono da Oficina de quem era aquele carro e ao se aproximar do mesmo percebeu dentro do veículo uma jaqueta da Polícia Civil que o seu irmão se indignou e perguntou aquele policial o que ele estava fazendo com aquele carro e o policial respondeu que o carro era dele; que, o rapaz ameaçou chamar a polícia e recebeu do policial a informação de que estava agindo por ordem do Delegado *****************; que, imediatamente compareceu a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos agora presidida pelo Delegado ***************, ocasião em que recuperou seu veículo e foi informada que era uma prática comum carros serem apreendidos, os chassis serem modificados e passam esses veículos a pertencerem de maneira ilícita aos policiais; que, o que mais indignou a senhora Ana Tereza foi que esta informou ao Delegado **************, essa prática ilícita do Delegado ***************** e este não tomou nenhuma providência ; ...". OS GRIFOS SÃO NOSSOS.

Vejamos agora o depoimento da testemunha************************************, prestado ainda na fase das investigações (fls. 159 usque 174), verbis :

 

"... que, o declarante confirma que realmente esteve presente no dia em que o Agente ************************************ foi ouvido no Fórum de Maracanaú pelos Promotores **************** e *****************; ... que, por comentários é do conhecimento do ora declarante que o Dr. ***************** detém um grupo de Policiais Civis para o crime organizado, e que segundo comentários um dos Policiais a frente desse grupo é o Comissário de Polícia ************************************ e que ainda, por comentários, é do conhecimento do declarante e de toda a polícia civil, até mesmo do Secretário e do próprio Sub-Secretário, que o Advogado ******************** faz parte do Grupo do Dr. *****************, como também o proprietário da Empresa de Veículos ************************************ , e que por sinal, é do conhecimento do declarante que um presidiário identificado por ********** entregou uma carta ao Secretário de Segurança denunciando toda a ação criminosa praticada pelo Grupo do Dr. *****************; que, tem conhecimento o declarante, segundo informação, que a referida carta teria sido trazida pelo próprio Secretário de Segurança para esta Comissão de Investigação; ... o Diretor de Disciplina da Corregedoria da Polícia Civil, Dr. ************************************, denunciou tudo que está ocorrendo agora, mas como recompensa passou a ser perseguido, ameaçado e teve que procurar guarida na Assembléia Legislativa do Ceará; ... que, pede a juntada do termo de declarações que prestou a Sra. ************************************, prestado na Corregedoria Geral de Polícia Civil, no dia 18.05.95, a Dra. ************************************, na qual a declarante estória ter sido vítima de assalto, no qual levaram o seu carro, que procurou a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos na pessoa do seu titular ***************** a época, pediu providências a respeito do crime que fora vítima, que o Delegado respectivo recuperou o seu automóvel uma semana após o assalto, e mesmo a declarante o procurando quase toda semana para saber como estava a investigação, aquele Delegado negava algum sucesso na apuração do caso, passou a usar o veículo da declarante de forma indevida ; ...". GRIFEI .

 

Anota-se que esses depoimentos, embora sejam provenientes do procedimento investigatório que culminou no presente processo, possuem uma inegável força probante, sendo elementos aptos para uma condenação, posto que foram obtidos mediante a intervenção de uma comissão mista, a qual funcionou como um verdadeiro juizado de instrução (figura que embora ainda não regulada por nosso ordenamento jurídico conta com um número cada vez maior de defensores).

 

Essas provas, portanto, servem como mais um suporte para a confirmação de tudo o quanto foi, e estará sendo articulado nessas alegações derradeiras.

 

DA PROVA EM JUÍZO

 

Adentremos agora pelo mérito da prova testemunhal produzida em Juízo durante a instrução criminal, iniciando pelo depoimento da Sra.************************************, a qual ao ser ouvida às fls. 1.564/1.567 do 5º Volume, assim se expressou:

 

"QUE há mais ou menos quatro ou cinco anos atrás, a depoente teve seu carro roubado próximo a Avenida Engenheiro Santana Júnior e ao Supermercado Bom Preço, por volta de 01h00 hora da madrugada; Que deu queixa na polícia e na Polinter; Que o carro foi roubado no final do mês de novembro e recuperado pela depoente no mês de fevereiro do ano próximo seguinte; Que o carro foi identificado por um irmão da depoente, quando passava pela rua Domingos Olímpio, por detrás do Jornal O POVO, sendo que o carro estava no interior de uma oficina; Que no interior do veículo tinha uma jaqueta da polícia civil e uma pessoa disse que o veículo estava em seu poder; Que a depoente não sabe o nome desta pessoa que estava com o carro em seu poder; Que a depoente foi até a oficina, mas quando lá chegou para identificar o carro, o veículo já tinha sido levado para a Polinter; Que a depoente identificou o veículo como sendo seu; Que recebeu o carro no mesmo dia, com a recomendação de não sair com o carro porque a documentação não estava correta e também a numeração havia sido adulterada; Que a recomendação foi dada pelo Delegado *****************; Que soube na polícia, através de documentos, que o veículo havia sido recuperado pela polícia no quarto dia após o assalto e portanto já estava há três meses em poder da polícia ... Que o veículo estava na oficina, consertando o escapamento; Que deu conhecimento a polícia no mesmo dia do assalto, sendo que foi a Delegacia da Costa Barros; Que no dia seguinte ao assalto foi até a Polinter; Que se lembra de ter ido pelo menos duas vezes a Polinter para saber se seu carro tinha sido encontrado; que uma das vezes que foi a Polinter, indagou diretamente ao Delegado Dr. ***************** sobre seu carro e obteve como resposta que ela seria avisada tão logo seu carro fosse encontrado; Que nessa época o titular da Polinter era o Delegado Dr. *****************; Que na outra vez que foi na Polinter foi atendida por policiais ou funcionários, obtendo como resposta "vá para casa que nós avisaremos qualquer novidade"; Que quando a depoente recebeu seu veículo, o delegado da Polinter era o Dr. *****************, que frisou a depoente que ele (Delegado) estava ali há apenas dez dias; ... Que os documentos do veículo estava em nome de outra pessoa com o ano do veículo em dois anos a menos e a numeração do chassi estava adulterado; Que a depoente acha que a documentação era de um outro carro que estava sendo montado com o carro da depoente; ... quando o veículo foi roubado, a bolsa da depoente foi junto com todos os documentos, inclusive com o documento do carro; Que quando deu queixa na Delegacia de Roubos e Furtos, ofertou as características do veículo, mas não ofertou o número do chassi porque não sabia; Que soube pela polícia que o carro teria sido encontrado em uma sucata e acha que o sucateiro reconheceu ter adulterado o chassi, pois indenizou a depoente pelo fato de ter adulterado o número do chassi..."

 

Como se viu acima pelas palavras da Sra. ************************************ , esta somente veio a recuperar seu veículo por um golpe de sorte, vez que um irmão desta vítima do Réu *****************, passando ocasionalmente em frente a uma oficina viu um carro com as características do carro daquela e a avisou sobre o fato, tendo sido encontrado dentro do veículo uma jaqueta da polícia civil, além do que a pessoa que estava com o referido carro disse que era por ordem do Dr. *****************, Delegado de Polícia, que não vem a ser outro, senão o Réu ************************************ .

O depoimento dessa testemunha, vítima em um dos crimes aqui apontados, é de suma importância como prova do alegado, sendo casos de tal natureza referendados pela jurisprudência dominante, a qual assim tem decidido, in litteris :

 

"A palavra da vítima tem especial relevância probatória, mormente em delitos contra o patrimônio, pois, relatando o proceder de desconhecidos, nenhum interesse teria em incriminar eventuais inocentes" (TACRIM-SP – AP – 9ª C. – Rel. Lourenço Filho – j. 05.06.96 – RJTACRIM 32/280).

 

"A palavra da vítima, em crimes de natureza patrimonial, avulta em importância, máxime quando em tudo ajustada às demais evidencias dos autos" (TACRIM-SP – AP – Rel. Eduardo Pereira – RJD 25/319).

Eis aí a verdade, pura e simples, para um dos crimes praticados pela quadrilha comandada pelo Delegado de Polícia Civil *****************, concernente a prevaricação e peculato , posto que na qualidade de Delegado da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos, após recuperar o veículo desta senhora, mandou adulterar o chassi do carro e passou a usá-lo em proveito próprio. Confirma-se, com este depoimento, um dos crimes da quadrilha.

 

Mas, continuemos com a análise da prova testemunhal produzida em Juízo, desta feita com a transcrição de parte do depoimento do Delegado de Polícia Civil************************************ às fls. 1.595 usque 1.601 do 5º Volume, in verbis :

 

"... Que ficou constatado na perícia que "Montanha" teria sido praticamente "desmontado", por força de torturas que teria sofrido, por parte do Delegado ***************** e sua equipe; Que pertenciam a equipe de *****************, os policiais ************************************; ... Que o depoente foi procurado pela esposa de *************************, em 1993, informando que havia um decreto de prisão preventiva contra *********** e que tal prisão poderia ensejar a "queima de arquivo", que seria a execução de ***************** na prisão; (abro um parêntesis para esclarecer que esta pessoa era mais conhecida por "Montanha") Que entrou em contato com a ************************************, que havia expedido o mandado de prisão, tendo essa informado que a prisão havia sido solicitada pelo Delegado *****************; Que a juíza tornou sem efeito o decreto de prisão, após ouvir ***********, mandando instaurar inquérito policial; Que outras provas contra *****************, como, prática de extorsão e tortura, prevaricação, apoio logístico a assaltos, abuso de autoridade, enfim um dossier(3) de 800 páginas que foram entregues a Comissão Especial e ao Coordenador do SINDES Dr. ************************************, Vice Governador; ... Que Dona ************************************ procurou o Deputado **************, na Assembléia Legislativa, dizendo-se indignada pelo fato do Secretário de Segurança ************** ter publicado que o Delegado era de sua inteira confiança ; Que *************** contou que teve seu carro tomado de assalto quando retornava para sua residência e que passou a visitar a Delegacia de Roubos e Furtos, *************** foi informada que provavelmente seu carro estivesse sendo usado em assaltos; Que três meses depois, um irmão de *************** ao passar em frente a uma oficina mecânica reconheceu o veículo, por força de um arranhão que havia na lateral direita do carro; Que quando se aproximou do carro observou uma jaqueta da polícia civil no banco e indagando ao proprietário da oficina a quem pertencia o carro, o irmão de *************** recebeu a informação de que aquele carro era da polícia; Que procurou o novo Delegado, Dr. *************** que ouvindo seus policiais, informou que o carro havia sido encontrado três dias depois do assalto; Que foi periciado o veículo e constatado que o chassi estava preparado para receber uma nova numeração e que o autor da ordem para modificar o número do chassi partiu do Dr. *****************; Que confirma a informação prestada junto a Comissão Especial, de que *************** seria "a ponte" entre a polícia e o crime organizado; Que como fatos concretos aponta o depoimento prestado por ***************, assaltante de bancos, que teria assaltado as agências dos Bancos Real e Credireal, cujo produto total do roubo teria sido Cz$ 32.000.000,00 (Trinta e dois milhões de cruzeiros) e que parte desse dinheiro teria sido dividida com a polícia do Ceará, mais precisamente a equipe do Delegado *****************; ... Que ************************************ integrava todas as ações comandadas por *****************, *************** e *************** e que ************************************ foi citado por *************** como sendo uma das pessoas que recebeu parte do dinheiro roubado dos Bancos Real e Credireal ; ... Que já ouviu falar sobre ************************************, através de relatos e agora através da denúncia, mais nenhuma informação concreta tem para dar, tendo em vista que nada investigou a respeito; Que ************************************* prestou depoimento na Corregedoria durante quatro horas, mas o depoente não tem conhecimento se foi instaurado ou não inquérito policial; Que ouviu falar da existência da carta de ************************************, através de informações de policiais; Que não sabe com segurança o conteúdo da referida carta; ... Que não tem inimizade nem amizade com o Dr. ***************** , ocorre que a conselhos de amigos tem tomado mais cuidado com sua segurança; Que na primeira vez em que foi notificado para prestar depoimento neste Juízo, por três ou quatro vezes o depoente foi emparelhado no trânsito por duas ou três pessoas que hoje estariam aqui como denunciados; Que também teve que efetuar levantamento no computador, sobre números de placas de carros que estariam rondando a casa do depoente; Que está sendo processado pelo Dr. *****************, o qual alega calúnia por parte do depoente; Que está sendo processado também pelo Juiz *********************, por difamação." GRIFOS NOSSOS E NEGRITOS INOVADOS .

 

Temos às fls. 1.199 usque 1.201 foram ouvidas as testemunhas arroladas pelo Réu ************************************, as quais nada souberam informar sobre os fatos narrados na denúncia.

 

Às fls.1.214 usque 1.217 temos os depoimentos das testemunhas arroladas pelo Réu ************************************, os Delegados de Polícia Civil ************************************ e ************************************ .

 

Vejamos inicialmente o depoimento de ************************************ precisamente sobre a carta cuja original repousa às fls. 1.243/1.244 do 5º Volume, abaixo:

 

"... que tem conhecimento de que o secretario de segurança, a época Dr. *****************, teria recebido uma carta proveniente do IPPS e que essa carta teria sido escrita por ************************** ..."

 

Já o Delegado de Polícia ************************************, além de ratificar a entrega da carta escrita pela vítima ********************** ao Secretário de Segurança Pública, acrescentou o seguinte:

 

"... que segundo descobriu as armas pertenciam a ************************************; que segundo soube ************************************ teria feito transação de veículos com o acusado ***************; ... ************************************ foi preso na cidade de Natal e recambiado para Fortaleza através de uma equipe de policiais designada pelo Dr. *****************; ..."

 

 

Às fls. 1.218 no Termo de Audiência os defensores dos Réus desistiram de ouvir as demais testemunhas arroladas nas respectivas Defesas Prévias, sendo então encerrada a instrução criminal.

 

Ainda às fls. 1.218 a defesa do Réu ************************************ requereu a juntada dos documentos referente ao processo administrativo-disciplinar instaurado na PROPAD , órgão da Procuradoria Geral do Estado, pelo qual restou ele, ************************************ e ************************************ absolvidos naquela instância administrativa, documentos que em manifestação exarada às fls. 1.246, reservei-me para aprecia-las por ocasião destas derradeiras razões, o que passo a fazer agora.

 

Sabe-se que as instâncias administrativa e penal são estanques, uma não refletindo na outra quanto ao julgamento do mérito de conduta ilícita (administrativa ou criminal) de servidor público, porquanto podem as instâncias chegar a conclusões diversas, sem que uma possa interferir no julgamento da outra, razão pela qual, absolutamente nada representa para a esfera penal a conclusão a que chegou o Dr. Procurador do Estado ************************************ no julgamento do Processo Administrativo-Disciplinar Nº 261/97 instaurado na Procuradoria Geral do Estado, e muito menos o acatamento desta decisão pelo Exmo. Sr. Secretário de Segurança Pública, à época, o General de Divisão ************************************* às fls. 1.232 ut 1.233 dos autos (fotocópias acostadas pela defesa de ************************************).

 

É importante que se diga que as ações criminosas encetadas pelo bando dos Réus, se entremostram tanto mais grave, porquanto, como representantes da sociedade alencarina na qualidade de protetores da ordem e da lei, investidos de altas funções ( Delegado de Polícia – ************************************, Comissário de Polícia – ************************************ e Investigador de Polícia – ************************************), utilizaram-se de todo o aparato policial posto à disposição para o relevante exercício de seus cargos, para, aliados ao empresário do ramo de automóveis, ************************************ praticarem toda sorte de graves delitos, a exemplo dos que constam na peça exordial acusatória: formação de quadrilha ou bando e extorsão, isto sem levar em consideração uma série de delitos que foram investigados em outras ações criminais, sendo suficiente para constatar isso uma verificação nas CERTIDÕES DE ANTECEDENTES CRIMINAIS que foram juntadas às fls. 1.281 usque 1.290 dos autos.

 

Vejamos também se os fatos aqui deduzidos são armações e perseguições, conforme alegam os Réus, ou se efetivamente estes crimes ocorreram, sendo mais do que suficiente além da leitura da carta cujo original se encontra no 5º Volume (fls. 1.243/1.244v.), a leitura das declarações prestadas por ************************************ , que se acham acostadas às fls. 15 usque 23 dos autos apenso – INCIDENTE DE FALSIDADE argüida pelos Réus, conforme se vislumbra pelos trechos abaixo transcritos:

 

" que conhece o teor da correspondência assinada por ************************************, remetida ao Secretário de Segurança Pública do Estado do Ceará; ... que conhece igualmente o advogado ************************************, o comerciante ************************************, conhecido por ************************************, o delegado ************************************, o investigador de polícia ************************************, o comissário de polícia ************************************, não conhecendo a pessoa nominada na carta por ***************; na época do fato, no ano de 1995, aproximadamente em abril, o declarante que a época estava desempregado, foi contratado pelo Sr. ************************************ para conduzir um veículo de marca Vectra da cidade de Belém, no Estado do Pará, para a cidade de Paracurú(4), no Estado do Ceará; na época da contratação para trazer o veículo para a cidade de Paracurú(5), o declarante residia na cidade de Belém, onde igualmente residia o Sr. ************************************; que conhecia o Sr. ***************(6) ********* há três anos aproximadamente, tendo conhecimento também que o mesmo fazia contrabando de armas, originarias do País Paraguai; ... o veículo deveria ser entregue ao Sr. Conhecido por *************** na cidade de Paracuru; ... quando *************** tirou o Pará-choque(7), retirou de dento do pará-choque(8), local onde foi feita um mocó , ou seja, uma acomodação própria para armas, de onde tirou dois fuzis AR-15 desmontados, quatros pentes de munições para encache de arma de grosso calibres; duas pistolas do tipo 380, do tipo calibre nove milímetros, um revólver cromado magno 357 e vários tipos de munições para fuzis AR-15, para pistola nove milímetros; observando que se tratava de contrabando de armas o declarante ficou bastante chateado, manifestando revolta dizendo que assim como chegou em paz poderia ter sido preso em qualquer local onde transitou; ... na segunda feira cedo, isto é, no início da manhã, *************** e *************** partiram para Fortaleza visando sacramentar a negociação, levando as armas no opala de ***************; na mesma segunda feira no período da tarde, *************** e *************** chegaram alcoolizados, mas conscientes, dizendo ao declarante que tinham conhecido um dos melhores advogados do Ceará, no caso o Dr. ***************, que se dizia gostar de armas pesadas, ocasião em que Laelson e o Dr. *************** acertaram uma troca do Tempra de *************** com o BMW do comerciante *************** (***************); como o veículo BMW era do comerciante ***************, que igualmente gostava de armas, segundo o advogado ***************, restou combinado um encontro na terça ou quarta feira para fechar o negócio; ... quando *************** e *************** voltaram para Paracuru, o declarante que lá ainda se encontrava, tomou conhecimento através destes da concretização do negócio nos seguintes termos:********************* (9) ********* daria em troca seu veículo Tempra que ainda se encontrava em Belém, no veículo BMW de propriedade de *************** Automóveis, que por sua vez receberia de volta DUAS METRALHADORAS, DUAS PISTOLAS CLOCK 9 MM E UM CHEQUE NO VALOR DE R$ 10.000,00 (DEZ MIL REAIS)